Fotografia da Natureza por André Brito e Ana Esteves

Verdilhão

Chloris chloris

Carduelis chloris_4

O Verdilhão é um Fingilídeo que mede cerca de 14-15 cm. É uma ave com o corpo, a cabeça e bico robusto, identificando-se pelas margens amarelas das primárias, que formam um painel amarelo na asa dobrada. O macho apresenta o peito verde-amarelado, partes superiores verde-acinzentadas, lados da cabeça acinzentados e painel cinzento-claro nas asas. As primárias assim como a cauda são muito amarelas. A fêmea apresenta-se mais esbatida, com cores acinzentadas menos vivas, manto/dorso acastanhado e asas e cauda menos amarelas.

É uma espécie que ocupa diversos habitats, podendo ser observada em zonas humanizadas, pastagens arborizadas, bosque, parques e jardins. É residente na Europa, estando apenas ausente no Norte da Escandinávia.

Alimenta-se de sementes e bagas que procura no solo ou nas árvores. Muitas vezes são observados em alimentadouros artificiais.

Constrói o ninho em forma de taça geralmente numa moita, onde efectua 2-3 posturas entre Abril-Junho com 4-6 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante

Anúncios

Chloris chloris

Carduelis chloris_1

O Verdilhão é um Fingilídeo que mede cerca de 14-15 cm. É uma ave com o corpo, a cabeça e bico robusto, identificando-se pelas margens amarelas das primárias, que formam um painel amarelo na asa dobrada. O macho apresenta o peito verde-amarelado, partes superiores verde-acinzentadas, lados da cabeça acinzentados e painel cinzento-claro nas asas. As primárias assim como a cauda são muito amarelas. A fêmea apresenta-se mais esbatida, com cores acinzentadas menos vivas, manto/dorso acastanhado e asas e cauda menos amarelas.

É uma espécie que ocupa diversos habitats, podendo ser observada em zonas humanizadas, pastagens arborizadas, bosque, parques e jardins. É residente na Europa, estando apenas ausente no Norte da Escandinávia.

Alimenta-se de sementes e bagas que procura no solo ou nas árvores. Muitas vezes são observados em alimentadouros artificiais.

Constrói o ninho em forma de taça geralmente numa moita, onde efectua 2-3 posturas entre Abril-Junho com 4-6 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante