Fotografia da Natureza por André Brito e Ana Esteves

Archive for Novembro, 2014

Emberiza cirlus

Emberiza cirlus_2014_3


Emberiza cirlus

Emberiza cirlus_2014_4


Passer domesticus

Passer domesticus_2014_1

O Pardal-comum é uma das aves mais abundantes da Europa. Mede cerca de 14-15,5 cm. O macho apresenta um dorso malhado de castanho e preto, nuca castanho-chocolate e coroa cinzenta. O peito é cinzento e tem um babete preto que vai da garganta até ao peito. A fêmea é castanho-clara com dorso malhado. Tem uma listra superciliar clara e uma barra alar dupla.

Habita em quase todos os tipos de habitat. Pode ser encontrado em jardins, pauis, charnecas, rochedos, estuários, bosques, sebes e é muito frequente em zonas humanizadas onde forma grandes bandos. Pode ser observado durante todo o ano.

Alimenta-se sobretudo de sementes, insectos e bagas. Nas cidades procuram muitas vezes locais onde as pessoas se costumam alimentar, como cafés e esplanadas.

Constrói o ninho em forma de cúpula numa fenda de edifício ou por vezes em árvores. Efectua 3 posturas entre Abril-Junho com 3-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante


Carduelis spinus

Carduelis spinus_2014_2

O Lugre é uma ave de pequenas dimensões medindo cerca de 11-12,5 cm. O macho é amarelo-esverdeado apresenta a coroa e babete pretos, litras superciliar e uropígio amarelo esverdeado sem marcas. A parte superior é esverdeada, enquanto que a parte inferior é amarela e os flancos malhados. As asas são pretas com barras alares amarelas. A fêmea é mais sombria, apresenta a coroa amarela acinzentada, peito e uropígio branco com matrizes verde-amarelado e com riscas difusas.

É uma espécie que gosta de florestas mistas e de coníferas, nomeadamente abetos, amieiros e vidoeiros com elevada humidade. É uma espécie que nidifica na Europa Central, Oriental e Setentrional. No Sul e Oeste apenas está presente no Inverno.

A sua alimentação é feita à base de sementes. É frequente ser observado em grupos, quando se alimentam em árvores normalmente pendurados de cabeça para baixo. No final do inverno é um visitante constante de alimentadouros artificiais.

Constrói o ninho no ponto alto de uma conífera. Efectua 2 posturas entre Abril-Maio com 3-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante