Fotografia da Natureza por André Brito e Ana Esteves

Archive for Fevereiro, 2012

Certhia brachydactyla

Ave de pequenas dimensões (12-13 cm). É uma espécie muito semelhante à trepadeira-do-bosque, e requer muita atenção na identificação. Tem a coroa castanho-claro  e castanho malhado,  assim como toda a parte superior. A parte inferior é branca com tons de castanho-claro. Quando observada está sempre nas árvores e tem a particularidade de se encontrar sempre a subir e nunca a descer um tronco.

Habita em bosques, pomares e jardins. Distribui-se por toda a Europa Ocidental até à fronteira com a Rússia.

Alimenta-se de insectos que captura nas árvores.

Constrói um ninho em forma de taça por detrás da casca de uma árvore. Efectua 1-2 posturas entre Março-Maio com 6-7 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante


Monticola saxatilis (macho)

Mais pequeno que um melro-comum, mede 18-20 cm. O melro-da-rochas é uma ave  coloria e muito difícil de observar. O macho quando observado é facilmente identificável ao contrário da fêmea que pode suscitar mais dúvidas. O macho apresenta a cabeça e pescoço azul-claro com o dorso mais escuro. Apresenta no dorso uma mancha branca, muito visível em voo. O peito e parte inferior é alaranjado, contrastando com o pescoço azul. A fêmea é castanho-claro, muito malhada, com crescentes claros na parte superior e crescentes escuros na parte inferior. A cauda é curta e laranja.

Esta ave apenas habita em terrenos rochosos de altitude. É um visitante estival escasso podendo ser observado de Abril a Setembro.

Alimenta-se sobretudo de insectos e bagas que captura nas rochas e vegetação rasteira presente no habitat.

Constrói o ninho em forma de taça num buraco de rocha ou numa parede rochosa. Efectua uma postura de Maio-Junho com 4-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): EN – Em Perigo


Certhia brachydactyla

Ave de pequenas dimensões (12-13 cm). É uma espécie muito semelhante à trepadeira-do-bosque, e requer muita atenção na identificação. Tem a coroa castanho-claro  e castanho malhado,  assim como toda a parte superior. A parte inferior é branca com tons de castanho-claro. Quando observada está sempre nas árvores e tem a particularidade de se encontrar sempre a subir e nunca a descer um tronco.

Habita em bosques, pomares e jardins. Distribui-se por toda a Europa Ocidental até à fronteira com a Rússia.

Alimenta-se de insectos que captura nas árvores.

Constrói um ninho em forma de taça por detrás da casca de uma árvore. Efectua 1-2 posturas entre Março-Maio com 6-7 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante


Ninho de Cinclus cinclus

Mede cerca de 17-18,5 com e é o ex-libris dos rios de montanha. É uma ave escura de cauda curta, marcada por uma conspíscua gorjeira branca, fazendo lembrar uma carriça de peito branco mais em ponto grande. Possui uma coroa cor de chocolate, parte superior preta, peito branco e abdómen castanho-avermelhado (mais escuro nas aves continentais).

Habita em rios de montanha, com cursos de água rápidos. Passa grande parte do tempo em busca de alimento no meio das águas onde revira as pedras, nada e mergulha. quando visto em voo passa como um míssil vocalizando. O seu território pode ter mais de 2 km.

Alimenta-se de macro invertebrados aquático, que captura durante os mergulhos ou nas rochas submersas.

Constrói um ninho tipo cúpula com musgos num buraco junto à água. efectua 2-3 posturas de Março a Junho com 5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante


Cinclus cinclus

Mede cerca de 17-18,5 com e é o ex-libris dos rios de montanha. É uma ave escura de cauda curta, marcada por uma conspíscua gorjeira branca, fazendo lembrar uma carriça de peito branco mais em ponto grande. Possui uma coroa cor de chocolate, parte superior preta, peito branco e abdómen castanho-avermelhado (mais escuro nas aves continentais).

Habita em rios de montanha, com cursos de água rápidos. Passa grande parte do tempo em busca de alimento no meio das águas onde revira as pedras, nada e mergulha. quando visto em voo passa como um míssil vocalizando. O seu território pode ter mais de 2 km.

Alimenta-se de macro invertebrados aquático, que captura durante os mergulhos ou nas rochas submersas.

Constrói um ninho tipo cúpula num buraco junto à água. efectua 2-3 posturas de Março a Junho com 5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante


Sylvia atricapilla (macho)

A Toutinegra-de-barrete-preto é uma pequena ave (13-15 cm) conhecida pelo seu canto encantador. O macho apresenta a coroa preta, enquanto a fêmea apresenta a coroa vermelha-ferrugem. Os machos são mais acinzentados na parte superior, tendo uns tons de branco na parte inferior. As fêmeas são mais acastanhadas na parte superior e castanho-claro na parte inferior.

Habita em vários tipos de habitat, e está mesmo presente em pequenos jardins de cidades. Pode ser encontrada em jardins, bosques, charnecas e sebes. Geralmente mantêm-se bem escondidas na vegetação densa. Esta espécie é residente na Península Ibérica, Oeste de França e Mediterrâneo, sendo estival no resto da Europa.

No Verão alimenta-se sobretudo de insectos, enquanto no Inverno de bagas.

Constrói um ninho em forma de taça numa moita ou árvore. Efectua 2 posturas entre Maio-Junho com 5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): LC – Pouco preocupante

 


Parus major

O chapim-real é o maior dos nossos chapins podendo medindo cerca de 14 cm. Também é nitidamente o mais marcado, com um barrete e um babete preto-brilhante, associado a uma linha preta que circunda as faces brancas. Tem uma lista preta vertical ao longo do peito que no macho é mais larga e mais comprida que na fêmea. O dorso é verde e as asas e cauda azul-esverdeado. A cauda possui ainda umas penas externas brancas.

Habita em quase todos os tipos de habitats, desde jardins, pauis, charnecas, bosques e sebes. Em formações puras de coníferas é frequente ser a ave mais abundante. esta é uma espécie que se encontra amplamente distribuída pela Europa, sendo residente  em quase todo este território à excepção do Norte da Escandinávia onde é migrador.

Alimenta-se à base de insectos e sementes, sendo as sementes a base da sua dieta no Inverno. Aparece com muita frequência em alimentadouros onde se  mostra bastante agressivo a outras aves.

constrói o ninho em forma de taça num buraco de árvore ou caixa-ninho. Efectua apenas uma postura de Março-maio com 8-13 ovos.