Fotografia da Natureza por André Brito e Ana Esteves

Melro das rochas

Monticola saxatilis (macho)

Monticola saxatilis_2014_3

Mais pequeno que um melro-comum, mede 18-20 cm. O melro-da-rochas é uma ave  coloria e muito difícil de observar. O macho quando observado é facilmente identificável ao contrário da fêmea que pode suscitar mais dúvidas. O macho apresenta a cabeça e pescoço azul-claro com o dorso mais escuro. Apresenta no dorso uma mancha branca, muito visível em voo. O peito e parte inferior é alaranjado, contrastando com o pescoço azul. A fêmea é castanho-claro, muito malhada, com crescentes claros na parte superior e crescentes escuros na parte inferior. A cauda é curta e laranja.

Esta ave apenas habita em terrenos rochosos de altitude. É um visitante estival escasso podendo ser observado de Abril a Setembro.

Alimenta-se sobretudo de insectos e bagas que captura nas rochas e vegetação rasteira presente no habitat.

Constrói o ninho em forma de taça num buraco de rocha ou numa parede rochosa. Efectua uma postura de Maio-Junho com 4-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): EN – Em Perigo

Anúncios

Monticola saxatilis (fêmea)

Monticola saxatilis_femea_2013

 

Desde à quatro anos que tenho seguido esta população de Melro-das-rochas. No local encontro vários indivíduos a partir do mês de Abril. Muitas vezes me questionei o porquê de ver tantos machos e nunca ter observado uma única fêmea . As teorias já eram muitas, mas cada vez havia mais questões.

Pois é, este ano pela primeira vez consegui observar uma fêmea. Muitas vezes a observação desta espécie é o ponto alto do dia para um ornitólogo, para mim foi a observação deste indivíduo em particular. Penso que efectivamente existe uma população nidificante no local, no entanto falta confirmar esta suposição. Para isso é necessário encontrar um ninho, o que não é tarefa fácil e muito provavelmente já não será este ano, mas passo a passo vou conhecendo melhor estes indivíduos.

 

 


Monticola saxatilis (macho)

Mais pequeno que um melro-comum, mede 18-20 cm. O melro-da-rochas é uma ave  coloria e muito difícil de observar. O macho quando observado é facilmente identificável ao contrário da fêmea que pode suscitar mais dúvidas. O macho apresenta a cabeça e pescoço azul-claro com o dorso mais escuro. Apresenta no dorso uma mancha branca, muito visível em voo. O peito e parte inferior é alaranjado, contrastando com o pescoço azul. A fêmea é castanho-claro, muito malhada, com crescentes claros na parte superior e crescentes escuros na parte inferior. A cauda é curta e laranja.

Esta ave apenas habita em terrenos rochosos de altitude. É um visitante estival escasso podendo ser observado de Abril a Setembro.

Alimenta-se sobretudo de insectos e bagas que captura nas rochas e vegetação rasteira presente no habitat.

Constrói o ninho em forma de taça num buraco de rocha ou numa parede rochosa. Efectua uma postura de Maio-Junho com 4-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): EN – Em Perigo


Monticola saxatilis (macho)

Mais pequeno que um melro-comum, mede 18-20 cm. O melro-da-rochas é uma ave  coloria e muito difícil de observar. O macho quando observado é facilmente identificável ao contrário da fêmea que pode suscitar mais dúvidas. O macho apresenta a cabeça e pescoço azul-claro com o dorso mais escuro. Apresenta no dorso uma mancha branca, muito visível em voo. O peito e parte inferior é alaranjado, contrastando com o pescoço azul. A fêmea é castanho-claro, muito malhada, com crescentes claros na parte superior e crescentes escuros na parte inferior. A cauda é curta e laranja.

Esta ave apenas habita em terrenos rochosos de altitude. É um visitante estival escasso podendo ser observado de Abril a Setembro.

Alimenta-se sobretudo de insectos e bagas que captura nas rochas e vegetação rasteira presente no habitat.

Constrói o ninho em forma de taça num buraco de rocha ou numa parede rochosa. Efectua uma postura de Maio-Junho com 4-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): EN – Em Perigo


Monticola saxatilis (macho)

Mais pequeno que um melro-comum, mede 18-20 cm. O melro-da-rochas é uma ave  coloria e muito difícil de observar. O macho quando observado é facilmente identificável ao contrário da fêmea que pode suscitar mais dúvidas. O macho apresenta a cabeça e pescoço azul-claro com o dorso mais escuro. Apresenta no dorso uma mancha branca, muito visível em voo. O peito e parte inferior é alaranjado, contrastando com o pescoço azul. A fêmea é castanho-claro, muito malhada, com crescentes claros na parte superior e crescentes escuros na parte inferior. A cauda é curta e laranja.

Esta ave apenas habita em terrenos rochosos de altitude. É um visitante estival escasso podendo ser observado de Abril a Setembro.

Alimenta-se sobretudo de insectos e bagas que captura nas rochas e vegetação rasteira presente no habitat.

Constrói o ninho em forma de taça num buraco de rocha ou numa parede rochosa. Efectua uma postura de Maio-Junho com 4-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): EN – Em Perigo


Monticola saxatilis (macho)

Mais pequeno que um melro-comum, mede 18-20 cm. O melro-da-rochas é uma ave  coloria e muito difícil de observar. O macho quando observado é facilmente identificável ao contrário da fêmea que pode suscitar mais dúvidas. O macho apresenta a cabeça e pescoço azul-claro com o dorso mais escuro. Apresenta no dorso uma mancha branca, muito visível em voo. O peito e parte inferior é alaranjado, contrastando com o pescoço azul. A fêmea é castanho-claro, muito malhada, com crescentes claros na parte superior e crescentes escuros na parte inferior. A cauda é curta e laranja.

Esta ave apenas habita em terrenos rochosos de altitude. É um visitante estival escasso podendo ser observado de Abril a Setembro.

Alimenta-se sobretudo de insectos e bagas que captura nas rochas e vegetação rasteira presente no habitat.

Constrói o ninho em forma de taça num buraco de rocha ou numa parede rochosa. Efectua uma postura de Maio-Junho com 4-5 ovos.

Estatuto de conservação (Livro vermelho de Vertebrados): EN – Em Perigo